SOLICITAÇÕES
| 41 3595-8300

Você sabe o que é a LAI (Lei de Acesso à Informação) e como utilizá-la?

Nós já comentamos anteriormente aqui no blog da Amaral, Yazbek Advogados sobre a LAI (Lei de Acesso à Informação), em como ela está diretamente ligada ao Direito da Inteligência de Negócios. Hoje, iremos esmiuçar um pouco este assunto, de modo que fique claro para você como utilizar a LAI para a sua estratégia de negócios e quais são as possibilidades que ela tem a oferecer para as empresas e sociedade como um todo.

A Lei de Acesso à Informação veio regulamentar um direito constitucional previsto no Art. 5º, Inciso XXXIII da Constituição, onde se diz que as informações produzidas ou custodiadas da União, dos estados, municípios e distritos federais, bem como do Tribunal de Contas e do Ministério Público (executivo, judiciário e o legislativo), são passíveis de divulgação.

 As fundações públicas, as autarquias, as empresas públicas, as entidades privadas sem fins lucrativos e as sociedades de economia mista também não fogem à regra. Contudo, existem hipóteses em que tais informações podem ser resguardadas pelos detentores. Por exemplo, quando determinado sigilo, se exposto, coloque em risco a sociedade ou o estado (como em casos de sigilo bancário e fiscal).

 

Quando falamos em transparência perante à LAI, temos dois tipos de situação:

Ativa: É quando o órgão se pré-dispõe a fornecer, por seus meios de comunicação oficiais, os dados demandados pela LAI. Existe um hall de informações que são obrigatórias e que os órgãos devem disponibilizar sem restrições, como os repasses de despesas, as informações de processos licitatórios, os repasses públicos, as informações de ações e programas, entre outros.

Passiva: É quando o órgão é demandado pelo cidadão a fornecer algum tipo de informação pública de interesse coletivo que não está disponível nos portais de transparência. Lembrando que qualquer pessoa pode solicitar as informações, independente de idade e nacionalidade, desde que o requerente seja identificado.

 

Mas afinal, como é possível utilizar os dados da LAI em meus negócios?

Essencialmente, o acesso à informação é um grande componente para o combate à corrupção, para o controle social e para o aperfeiçoamento da gestão pública. As informações da LAI são interessantes não somente para os cidadãos, porém também para as empresas que contribuem para o desenvolvimento do estado.

Os dados obtidos por meio da LAI podem ser cruciais para a estratégia de negócios de empresas. Por exemplo, um empresário pode adquirir informações sobre arrecadação tributária de seus concorrentes através da LAI, de modo que seus investimentos sejam realizados de modo mais consciente e objetivo.

Unindo tecnologia e inteligência de negócios com os dados extraídos pela LAI, é possível traçar estratégias que sejam muito mais assertivas e que tragam resultados melhores. Entre os benefícios da Lei de Acesso à Informação para o âmbito empresarial, podemos listar os seguintes fatores:

  • Monitoramento de mercado e da concorrência nas compras públicas;
  • Identificação de Market Share de produtos ou serviços;
  • Detalhamento do preço líquido, preço unitário e percentual de desconto;
  • Auxílio na identificação do mercado, com apuração de estoques do ente licitante;
  • Apuração de preços médios de produtos ou serviços por ente licitante;
  • Análise do comportamento dos mercados regionais.

 

Sabemos que a tecnologia é um grande propulsor de negócios das mais variadas áreas, e que está diretamente ligada à inovação e ao crescimento de inúmeros mercados. Atualmente, temos no Brasil várias ferramentas que coletam grande variedade de dados, e que acabam passando despercebidos por muitas empresas.

Tais informações podem ser utilizadas para tomada de decisões estratégicas e possuem peso chave em muitas delas, já que é possível mapear o mercado de modo único através dos dados obtidos pela LAI. Isso é inteligência de negócios, saber como utilizar as informações públicas ao favor de seus negócios.

Mais do que inteligência de negócios, é preciso transformar o direito, o campo jurídico como um todo, em aliado nas estratégias das empresas. E assim temos o Direito da Inteligência de Negócios, que vem para preencher o espaço entre o mundo empresarial e o jurídico de modo inovador, possibilitando novas estratégias e resultados.

Leia também

  • 18-03-2019
JUSTIÇA DE SP VOLTA A AFASTAR ICMS NA IMPORTAÇÃO DE CARROS PARA USO PRÓPRIO
  É ilegal a cobrança de ICMS em importação de bem destinado a contribuinte não habitual baseada na Lei paulista 11.001/2001. Isso porque o Supremo Tribunal Federal já decidiu que essa cobrança, instituída pela Emenda Constitucional 33/2...
  • 15-03-2019
CONTRIBUINTES AJUIZARAM 25 MIL AÇÕES PARA EXCLUIR ICMS DO PIS E DA COFINS
  Dois anos depois do julgamento que excluiu o ICMS da base de cálculo do PIS e da Cofins, o Supremo Tribunal Federal (STF) ainda não analisou o recurso (embargos de declaração) apresentado no caso. Enquanto isso, cerca de 25 mil contribuintes ...
  • 14-03-2019
STF COMEÇA A JULGAR INCIDÊNCIA DE PIS E COFINS EM IMPORTAÇÕES PORTUÁRIAS
    Empresa que operou por conta e ordem de terceiros só deve pagar PIS e Confins sobre o valor da prestação de serviços, e não sobre o valor total da operação de importação. Esse foi o voto do ministro Dias Toffoli, nesta quarta-feira (13...
  • 13-03-2019
NOVA LEI INSTITUI CPF COMO DOCUMENTO ÚNICO NO ÂMBITO FEDERAL
    O Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) é um instrumento suficiente e substitutivo para o cidadão brasileiro que quiser usufruir de informações e serviços públicos no âmbito federal. A norma foi publicada nesta terça-feira (12/3), no Di...