SOLICITAÇÕES
| 41 3595-8300

STF é claro, país precisa devolver quase R$250 bilhões aos contribuintes

  • 18-12-18

 

A vida de um empreendedor já é difícil por si só: angariar capital, produzir, encontrar seus clientes e, no fim de tudo isso, comercializar seus produtos ou serviços para auferir receita e lucro. Não bastasse toda essa cadeia produtiva, ainda somos um dos países com o maior desafio no que tange a atividade empresarial, não estamos falando da alta carga tributária, mas sim das milhares de normas que são anualmente editadas e que custam às empresas mais de R$65 bilhões de reais por ano segundo estudo do IBPT – Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação.

Uma fonte de intermináveis discussões é o famigerado sistema tributário brasileiro, são instruções normativas, circulares, leis e decretos, além de tantos outros diplomas que o regem e o regulamentam. A Secretaria da Receita Federal da Fazenda Nacional é a responsável por tentar alinhar essas disposições, mas muitas vezes suas ações levam a interpretações dúbias, ilegais ou inconstitucionais, gerando disputas no âmbito administrativo e judicial.

Uma dessas discussões tem origem na chamada Solução de Consulta Interna Cosit n.° 13 da Receita Federal, que, sob o pretexto de esclarecer/interpretar o Tema 69 do STF, que trata da exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS e da COFINS, criou um cenário de insegurança jurídica por se basear em argumentos que sequer foram acatados pelo Supremo.

“O processo judicial originário, desde o início, buscou excluir o ICMS destacado na Nota Fiscal da base de cálculo do PIS e da COFINS. E quando o assunto conseguiu ser julgado pelo Plenário do Supremo Tribunal Federal – que deu integral provimento ao pleito do contribuinte –, a Receita Federal do Brasil cria essa Solução de Consulta expondo métodos de apuração do ICMS passível de exclusão do PIS e da COFINS que não guardam nenhuma relação com o que foi discutido e definido no processo. Ou seja, a Receita Federal busca distorcer o atual entendimento daquele colegiado, que levou à obrigação de devolução de aproximadamente R$250 bilhões de reais aos contribuintes”, explica Letícia.

Essa insegurança jurídica é extremamente danosa, como se vê no exemplo acima, tanto para o contribuinte quanto para o Estado, que já conta com uma dívida interna de grandes proporções e, ao gerar um novo impasse, arrisca a ver uma nova enxurrada de processos judiciais decorrentes da Solução de Consulta Interna Cosit n° 13.

Esse e outros assuntos jurídico-tributários são apresentados e discutidos por profissionais especializados da Amaral, Yazbek Advogados em suas redes sociais e no Youtube, no canal Direito da Inteligência de Negócios.

 

Assine nossa NewsLetter e fique por dentro das novidades!

Quer receber seu exemplar da revista Governança Jurídica? Clique aqui e peça a sua.

Nos acompanhe nas redes sociais: Facebook | Instagram | Likedin 

Já conhece o canal Direito da Inteligência de Negócios? Clique aqui e inscreva-se.

Ver mais

  • 18-12-2018
STF é claro, país precisa devolver quase R$250 bilhões aos contribuintes

“Com essa quantidade incrível de normas, é perfeitamente compreensível que existam confusões e discussões, até mesmo por parte do Governo”, explica a advogada tributarista e sócia da Amaral, Yazbek Advogados, escritório especializado em Direito da Inteligência de Negócios, Letícia Mary Fernandes do Amaral.

  • 11-12-2018
30 anos de Constituição Federal: a complexidade do sistema tributário brasileiro em números e cifras

Empreender. Na teoria, uma palavra que remete à conquista de sonhos, crescimento profissional e novas possibilidades financeiras. No Brasil, a prática não soa tão agradável quanto a teoria – pode-se dizer que passa muito distante -, e os empreendedores encontram barreiras significativas no processo de criação e manutenção de seus negócios.

  • 04-12-2018
Advogados deixam de ser simples operadores do Direito para serem fonte

Escritórios de Advocacia como Amaral, Yazbek Advogados demonstram como profissionais do Direito podem contribuir na criação do Direito Público

  • 13-11-2018
Processos judiciais de empresas em trâmite no Brasil superam o PIB de países como Canadá, Argentina e Holanda

Estudo revela que os valores envolvidos em todos os processos em trâmite hoje chegam a 1,6 trilhões de dólares