SOLICITAÇÕES
| 41 3595-8300

SE DECLARAR, PAGUE! STJ, APROPRIAÇÃO INDÉBITA E GOVERNANÇA TRIBUTÁRIA

 

A recente decisão proferida pelo STJ no HC 399109 na qual se manteve a condenação de dois empresários no crime de apropriação indébita por terem deixado de recolher aos cofres públicos ICMS em operações próprias, devidamente declaradas ao fisco, me gerou a seguinte reflexão: será que as empresas, a partir dessa decisão, precisam rever seus índices de Governança Tributária, para fins de análise de risco na prática de crimes decorrentes de tributos declarados mais não pagos?

Recente notícia veiculada no jornal Valor Econômico afirmou que crescem as denúncias contra devedores de impostos em virtude dessa decisão do STJ. Segundo comentários publicados, até mesmo em casos de autos de infração não definitivamente julgados na esfera administrativa, haveria o risco de empresários virem a ser acusados de apropriação indébita.

Há que se ponderar, contudo, que se o imposto ainda está em discussão na esfera administrativa, não se trata de imposto declarado (o chamado lançamento por homologação ou auto-lançamento), mas sim de um auto de infração originado de uma fiscalização (lançamento de ofício), o que afasta qualquer viabilidade de apropriação indébita, já que nesse caso se discute até mesmo a materialidade do fato que originaria a obrigação de recolher o imposto.

Outra ponderação a ser feita na análise do risco para fins de compliance tributário (um dos pilares e etapas da Governança Tributária) é que para se caracterizar a apropriação indébita, deve-se ter havido a cobrança ou desconto, pelo sujeito passivo da obrigação, ou seja, pelo contribuinte de direito ou responsável tributário, de valor equivalente ao tributo, do contribuinte de fato. E para que isso tenha ocorrido, deve-se estar diante de um tributo indireto ou retido na fonte, que tenha sido destacado no documento fiscal. O terceiro elemento que deve estar presente, é o dolo efetivo, ou seja, o intuito manifesto de deixar de recolher o tributo.

Em suma, se houve a declaração do valor do tributo, seja em Nota Fiscal, seja nas respectivas declarações ao fisco, quase todas atualmente integrantes de algum módulo do SPED fiscal, dos chamados tributos indiretos (ICMS, ISS, IPI, PIS/COFINS não cumulativo) ou de retenções na fonte (IRPJ, CSLL e contribuições previdenciárias), as chances de tal fato vir a ser caracterizado como apropriação indébita são muito grandes, em virtude do recente entendimento do STJ.

Portanto, empresário, fica o alerta: se declarou, pague!

Assine nossa NewsLetter e fique por dentro das novidades!

Quer receber seu exemplar da revista Governança Jurídica? Clique aqui e peça a sua.

Nos acompanhe nas redes sociais: Facebook | Instagram | Likedin 

Já conhece o canal Direito da Inteligência de Negócios? Clique aqui e inscreva-se.

Leia também

  • 21-03-2019
STF FORMA MAIORIA PARA APLICAR O IPCA-E EM CORREÇÃO MONETÁRIA DESDE 2009
  O plenário do Supremo Tribunal Federal retomou, nesta quarta-feira (20/3), a análise dos embargos de declaração que questionam possibilidade de modulação dos índices de correção monetária e juros de mora a serem aplicados nos casos de ...
  • 20-03-2019
FISCO PODE ACESSAR DADOS DO SISTEMA FINANCEIRO, DECIDE STJ
  O Fisco pode acessar dados do Cadastro de Clientes do Sistema Financeiro (CCS), segundo a 1ª Turma do Superior Tribunal de Justiça. O entendimento contraria tese firmada pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região. O processo tramita sob ...
  • 19-03-2019
NÃO INCIDE CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE ABONO ÚNICO, DEFINE STJ
    Não incide contribuição previdenciária sobre bônus previstos em convenção coletiva se eles forem pagos em parcela única e sem habitualidade. A tese foi firmada pela 1ª Turma do Superior Tribunal de Justiça, em acórdão publicado na...
  • 19-03-2019
RETROSPECTO TRIBUTÁRIO - 11/03/19 A 15/03/19
    NOTÍCIAS DO PODER EXECUTIVO 1.   FEDERAIS   STF pode julgar este ano se declarar e deixar de pagar ICMS é crime Data: 11/03/2019   O processo em que o Supremo Tribunal Federal (STF) decidirá se há implicações penais para o não pagame...