SOLICITAÇÕES
| 41 3595-8300

SE DECLARAR, PAGUE! STJ, APROPRIAÇÃO INDÉBITA E GOVERNANÇA TRIBUTÁRIA

 

A recente decisão proferida pelo STJ no HC 399109 na qual se manteve a condenação de dois empresários no crime de apropriação indébita por terem deixado de recolher aos cofres públicos ICMS em operações próprias, devidamente declaradas ao fisco, me gerou a seguinte reflexão: será que as empresas, a partir dessa decisão, precisam rever seus índices de Governança Tributária, para fins de análise de risco na prática de crimes decorrentes de tributos declarados mais não pagos?

Recente notícia veiculada no jornal Valor Econômico afirmou que crescem as denúncias contra devedores de impostos em virtude dessa decisão do STJ. Segundo comentários publicados, até mesmo em casos de autos de infração não definitivamente julgados na esfera administrativa, haveria o risco de empresários virem a ser acusados de apropriação indébita.

Há que se ponderar, contudo, que se o imposto ainda está em discussão na esfera administrativa, não se trata de imposto declarado (o chamado lançamento por homologação ou auto-lançamento), mas sim de um auto de infração originado de uma fiscalização (lançamento de ofício), o que afasta qualquer viabilidade de apropriação indébita, já que nesse caso se discute até mesmo a materialidade do fato que originaria a obrigação de recolher o imposto.

Outra ponderação a ser feita na análise do risco para fins de compliance tributário (um dos pilares e etapas da Governança Tributária) é que para se caracterizar a apropriação indébita, deve-se ter havido a cobrança ou desconto, pelo sujeito passivo da obrigação, ou seja, pelo contribuinte de direito ou responsável tributário, de valor equivalente ao tributo, do contribuinte de fato. E para que isso tenha ocorrido, deve-se estar diante de um tributo indireto ou retido na fonte, que tenha sido destacado no documento fiscal. O terceiro elemento que deve estar presente, é o dolo efetivo, ou seja, o intuito manifesto de deixar de recolher o tributo.

Em suma, se houve a declaração do valor do tributo, seja em Nota Fiscal, seja nas respectivas declarações ao fisco, quase todas atualmente integrantes de algum módulo do SPED fiscal, dos chamados tributos indiretos (ICMS, ISS, IPI, PIS/COFINS não cumulativo) ou de retenções na fonte (IRPJ, CSLL e contribuições previdenciárias), as chances de tal fato vir a ser caracterizado como apropriação indébita são muito grandes, em virtude do recente entendimento do STJ.

Portanto, empresário, fica o alerta: se declarou, pague!

Assine nossa NewsLetter e fique por dentro das novidades!

Quer receber seu exemplar da revista Governança Jurídica? Clique aqui e peça a sua.

Nos acompanhe nas redes sociais: Facebook | Instagram | Likedin 

Já conhece o canal Direito da Inteligência de Negócios? Clique aqui e inscreva-se.

Leia também

  • 14-11-2018
Inclusão da noção de eficiência ao direito brasileiro com base na Lei 13.655
  Dando continuidade a abordagem que realizamos anteriormente sobre os desdobramentos da Lei 13.655, hoje iremos falar da noção de eficiência ao direito brasileiro. Contudo, antes de entrarmos no tema propriamente dito, vamos recapitular rapidame...
  • 14-11-2018
RETROSPECTO TRIBUTÁRIO
  05/11/2018 a 09/11/2018   Justiça exclui ICMS destacado em nota fiscal do cálculo do PIS/Cofins Uma empresa de engenharia, outra de vestuário e uma terceira de palmilhas conseguiram no Tribunal Regional Federal (TRF) da 4ª Região o aval para...
  • 08-11-2018
SERÁ QUE A PROPOSTA DE TAX COMPLIANCE VAI VINGAR?
  Nesta quarta-feira, 31/10, às 18h, vence o prazo para envio de propostas de alteração à Consulta Pública da Receita Federal n. 04/2018, que visa a criação do Programa Pró-Conformidade, por meio de Portaria que tem o cunho de estimular o ...
  • 07-11-2018
RETROSPECTO TRIBUTÁRIO - 29/10 a 01/11
  29/10/2018 a 01/11/2018   Orientação da Receita sobre ICMS do PIS/Cofins impacta compra de créditos A interpretação da Receita Federal sobre a exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS e da Cofins deve mexer com um mercado que estava supe...