SOLICITAÇÕES
| 41 3595-8300

Quais os impactos da Reforma Trabalhista em relação às contribuições previdenciárias?

Há muito o que deve ser discutido quando falamos nas alterações propostas pela Reforma Trabalhista. Um dos tópicos essenciais é o alcance da incidência das contribuições previdenciárias das empresas sobre verbas trabalhistas, algo debatido pelos tribunais administrativos e judiciários há bastante tempo. 

 

Fazendo-se uma análise crítica do REsp nº 1.230.957/RS e do REsp nº 1.358.281/SP, ambos julgados na sistemática dos repetitivos (art. 543-B do CPC/73), é possível concluir que um dos critérios utilizados pelo Superior Tribunal de Justiça – STJ para definir a incidência ou não das contribuições é a o caráter salarial ou indenizatório da verba paga.

 

Além disso, o STJ entende que quando se tratar de uma verba paga em razão da prestação de serviços também ocorrerá a incidência das contribuições previdenciárias. Considerando as modificações introduzidas nos artigos 457 e 458 da Consolidação das Leis do Trabalho pela Lei nº 13.419/17 e pela Medida Provisória Nº 808/17, tem-se que a Reforma Trabalhista veio trazer mais alguns capítulos para essa tão acalorada discussão.

 

Quais são os principais tópicos que refletem na contribuição previdenciária?

 

Dentre as novidades que têm impacto direto na incidência das contribuições previdenciárias, é possível destacar principalmente três delas: os prêmios; o auxílio alimentação; e planos de saúde. Vamos analisar cada um desses pontos individualmente:

 

1. Prêmios

 

O STJ pacificou entendimento em 05/12/2014 de que as contribuições devem incidir sobre referida verba (ainda que paga eventualmente). No entanto, a nova redação dada ao §2º do artigo 457 da CLT veio esclarecer que os prêmios pagos aos funcionários não integram a remuneração do empregado, não se incorporam ao contrato de trabalho e não constituem base de incidência de encargos trabalhistas e previdenciários.

 

Por isso, é totalmente pertinente o questionamento do posicionamento do STJ fixado em sede de repercussão geral, visto que um dos critérios adotados pelo Tribunal Superior é justamente a natureza da verba. Outrossim, o §2º do artigo 457 da CLT passou a prever expressamente que essa verba não integra o salário de contribuição para fins previdenciários, sendo, por isso, mandatório a sua exclusão da base de cálculo das contribuições previdenciárias a cargo das empresas.

 

Contudo, é válido ressaltar que apenas serão considerados prêmios os valores pagos para retribuir desempenho superior ao esperado para a função, em dinheiro ou não, desde que não pagos mais de duas vezes no ano (§§ 4º e 22 do artigo 457 da CLT).

 

2. Auxílio Alimentação

 

Em relação ao auxílio alimentação, o Conselho Administrativo de Recursos Fiscais – CARF, em uma reviravolta de entendimento, passou afirmar a partir de 2017 que eram devidas as contribuições sobre os valores pagos a título de auxílio alimentação pagos por cartão magnético (comumente conhecido como ticket refeição/alimentação).

 

Todavia, o mesmo §2º do artigo 457 da CLT já citado veio esclarecer que, desde que não pago em dinheiro, essa verba não deverá integrar igualmente a remuneração do empregado e nem deverá integrar o salário de contribuição. Mas atenção!

 

Deve se tratar de cartão magnético cuja a destinação seja específica para compra de alimentos/refeições. Se tratar-se de cartão que pode ser utilizado para a compra de outros itens, essa verba será considerada salarial e passará a integrar o salário de contribuição.

 

3. Planos de Saúde

 

Com relação ao plano de saúde pago aos funcionários, mesmo havendo previsão expressa no §9º do artigo 28 da Lei Nº 8.212/91 de que valores pagos não integram o salário de contribuição, o CARF vinha posicionando-se, desde 2016, no sentido de que se a empresa patrocinar diferentes categorias de planos de saúde aos seus funcionários deve haver incidência das contribuições sobre a diferença do plano básico para o mais caro.

 

O §5º do artigo 458 da CLT, incluído pela Lei Nº 13.467/17, veio esclarecer que não é devida contribuição mesmo nos casos em que a empresa ofereça aos seus funcionários diferentes categorias de plano. Portanto, em minha análise, o CARF deverá mudar seu posicionamento imediatamente, sob pena de afronta ao princípio constitucional da estrita legalidade esculpido no artigo 150, I, da Constituição Federal.

 

Para ficar por dentro dessas e de outras novidades, não deixe de acessar o blog da Amaral, Yazbek Advogados e de se inscrever no nosso canal no YouTube, Direito da Inteligência de Negócios.

 

MAYARA CRISTINA DE MELLO LOBO

Inscrita na OAB/PR sob o nº 70.819;

Pós-graduanda em Direito Tributário pelo IBET – Instituto Brasileiro de Estudos Tributários de São Paulo;

Bacharel em Direito pela Faculdade Arthur Thomas em Londrina/PR;

Representante do IBPT – Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação junto à Comissão Operacional do Observatório Social de São Paulo;

Autora de artigos e estudos jurídicos;

Advogada no escritório Amaral, Yazbek Advogados.

 

 

Confira o vídeo do nosso canal do Youtube sobre o assunto:

 

 

Leia também

  • 19-04-2018
Série Especial sobre Imposto de Renda Pessoa Física - Como fazer a declaração de bens e investimentos no exterior?
Já falamos aqui no blog da Amaral, Yazbek Advogados e no canal Direito da Inteligência de Negócios no YouTube várias questões sobre o IRPF. Se você perdeu os demais conteúdos, não deixe de conferi-los. Hoje, iremos abordar um tema que traz d...
  • 17-04-2018
Série Especial sobre IRPF - COMO FUNCIONAM AS ISENÇÕES NA APURAÇÃO DE GANHO DE CAPITAL?
Passamos hoje da metade da série sobre o Imposto de Renda Pessoa Física da Amaral, Yazbek Advogados, que você pode conferir tanto aqui no Blog da AY como no canal Direito da Inteligência de Negócios. O tema de hoje está diretamente ligado ao ú...
  • 13-04-2018
Série Especial sobre IRPF - Como devo declarar bens e imóveis para fins de IRPF?
Dando seguimento à série especial sobre o Imposto de Renda Pessoa Física do canal Direito da Inteligência de Negócios, hoje vamos destacar a declaração de valores imobiliários no IRPF, assunto bastante relevante e que eventualmente pode gerar...
  • 10-04-2018
SÉRIE ESPECIAL SOBRE IRPF - RENDIMENTOS RECEBIDOS ACUMULADAMENTE
O que devo saber sobre os rendimentos recebidos acumuladamente na hora de fazer a declaração do IRPF?   Continuando a série especial sobre o Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF) da Amaral, Yazbek Advogados, que você também pode conferir no ca...