SOLICITAÇÕES
| 41 3595-8300

Prazo para discutir contrato é de dez anos

Recentemente, houve uma mudança de entendimento, que pôs fim a uma discussão que vinha causando uma grande insegurança jurídica referente ao prazo de prescrição para discutir violações contratuais no judiciário.

 

A 2ª Seção do Superior Tribunal de Justiça, uniformizou o entendimento das turmas de direito privado, afirmando que o prazo prescricional para discutir questões contratuais é de 10 (dez) anos, conforme prevê o artigo 205 do Código Civil.

 

A decisão se deu por ocasião do julgamento dos Embargos de Divergência no Recurso Especial nº 1.280.825/SP, ocorrido em junho deste ano. No processo, a associação dos aposentados, pensionistas, empregados ativos e ex-empregados da Companhia Vale do Rio Doce (Apevale) discutia o cabimento de indenização contra o Clube de Investimento dos Empregados da Vale (Investvale) com base em administração fraudulenta e omissão de informações, que deram causa à venda de papéis da companhia por preço inferior ao do mercado.

 

O dispositivo mencionado prevê que prescreve em três anos as pretensões fundadas em disposto no artigo 206, § 3º, inc. V do Código Civil. Desta forma, havendo um prazo específico em lei, não deveria ser aplicado o prazo geral de 10 (dez) anos.

 

No julgamento, a Corte Superior afastou a aplicação do prazo trienal dos casos que envolvem perdas e danos oriundos das relações contratuais.

 

Em defesa da nova tese, argumentou-se que o Código Civil de 2002 não distinguia as duas categorias de responsabilidade, encontrando-se ambas abrangidas pela expressão "reparação civil" do art. 206, § 3º, inc. V do Código Civil de 2002.

 

Na decisão, a ministra relatora aponta que não faria sentido existir um prazo diferente para exigir a obrigação contratual – no caso, dez anos –, e outro para exigir a reparação civil pelo descumprimento do contrato. Por essa razão, o Superior Tribunal de Justiça fixou o prazo de dez anos para os casos de responsabilidade civil contratual, ficando o prazo de três anos apenas para a responsabilidade civil extracontratual, isto é, nos casos em que o fato gerador da responsabilidade não possui ou depende de um contrato prévio entre as partes, como acontece em um acidente de trânsito, por exemplo.

 

Com o julgamento da 2ª Seção do STJ, criou-se precedente importante, estabelecendo-se o prazo de dez anos para discutir questões contratuais, contados do descumprimento.

 

Cabe registrar que, até então, parte dos juízes vinham aplicando o prazo prescricional de 3 (três) anos para se discutir questões contratuais no Judiciário.

 

A decisão possui importante reflexo na prática, dá aos contratantes maior segurança jurídica ao firmar contratos, o que antes era um risco, hoje se tornou algo estável.

 

Cumpre esclarecer que esse novo entendimento denota a importância de fazer um contrato bem feito, porque eventual pretensão decorrente de cláusulas contratuais que atualmente só prescreverá após uma década.

 

Sendo assim é imprescindível verificar atenciosamente as concessões e exigências para que a segurança jurídica da relação que será formalizada pelo contrato seja a maior possível. Somente assim é possível evitar litígios judiciais e extrajudiciais.

 

Acesse nosso Blog e encontre mais artigos como esse.

Nos encontre nas redes sociais: Facebook | Instagram | Likedin

Assine nossa Newsletter e receba as novidades por e-mail.

Leia também

  • 18-03-2019
JUSTIÇA DE SP VOLTA A AFASTAR ICMS NA IMPORTAÇÃO DE CARROS PARA USO PRÓPRIO
  É ilegal a cobrança de ICMS em importação de bem destinado a contribuinte não habitual baseada na Lei paulista 11.001/2001. Isso porque o Supremo Tribunal Federal já decidiu que essa cobrança, instituída pela Emenda Constitucional 33/2...
  • 15-03-2019
CONTRIBUINTES AJUIZARAM 25 MIL AÇÕES PARA EXCLUIR ICMS DO PIS E DA COFINS
  Dois anos depois do julgamento que excluiu o ICMS da base de cálculo do PIS e da Cofins, o Supremo Tribunal Federal (STF) ainda não analisou o recurso (embargos de declaração) apresentado no caso. Enquanto isso, cerca de 25 mil contribuintes ...
  • 14-03-2019
STF COMEÇA A JULGAR INCIDÊNCIA DE PIS E COFINS EM IMPORTAÇÕES PORTUÁRIAS
    Empresa que operou por conta e ordem de terceiros só deve pagar PIS e Confins sobre o valor da prestação de serviços, e não sobre o valor total da operação de importação. Esse foi o voto do ministro Dias Toffoli, nesta quarta-feira (13...
  • 13-03-2019
NOVA LEI INSTITUI CPF COMO DOCUMENTO ÚNICO NO ÂMBITO FEDERAL
    O Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) é um instrumento suficiente e substitutivo para o cidadão brasileiro que quiser usufruir de informações e serviços públicos no âmbito federal. A norma foi publicada nesta terça-feira (12/3), no Di...