SOLICITAÇÕES
| 41 3595-8300

Prazo para discutir contrato é de dez anos

Recentemente, houve uma mudança de entendimento, que pôs fim a uma discussão que vinha causando uma grande insegurança jurídica referente ao prazo de prescrição para discutir violações contratuais no judiciário.

 

A 2ª Seção do Superior Tribunal de Justiça, uniformizou o entendimento das turmas de direito privado, afirmando que o prazo prescricional para discutir questões contratuais é de 10 (dez) anos, conforme prevê o artigo 205 do Código Civil.

 

A decisão se deu por ocasião do julgamento dos Embargos de Divergência no Recurso Especial nº 1.280.825/SP, ocorrido em junho deste ano. No processo, a associação dos aposentados, pensionistas, empregados ativos e ex-empregados da Companhia Vale do Rio Doce (Apevale) discutia o cabimento de indenização contra o Clube de Investimento dos Empregados da Vale (Investvale) com base em administração fraudulenta e omissão de informações, que deram causa à venda de papéis da companhia por preço inferior ao do mercado.

 

O dispositivo mencionado prevê que prescreve em três anos as pretensões fundadas em disposto no artigo 206, § 3º, inc. V do Código Civil. Desta forma, havendo um prazo específico em lei, não deveria ser aplicado o prazo geral de 10 (dez) anos.

 

No julgamento, a Corte Superior afastou a aplicação do prazo trienal dos casos que envolvem perdas e danos oriundos das relações contratuais.

 

Em defesa da nova tese, argumentou-se que o Código Civil de 2002 não distinguia as duas categorias de responsabilidade, encontrando-se ambas abrangidas pela expressão "reparação civil" do art. 206, § 3º, inc. V do Código Civil de 2002.

 

Na decisão, a ministra relatora aponta que não faria sentido existir um prazo diferente para exigir a obrigação contratual – no caso, dez anos –, e outro para exigir a reparação civil pelo descumprimento do contrato. Por essa razão, o Superior Tribunal de Justiça fixou o prazo de dez anos para os casos de responsabilidade civil contratual, ficando o prazo de três anos apenas para a responsabilidade civil extracontratual, isto é, nos casos em que o fato gerador da responsabilidade não possui ou depende de um contrato prévio entre as partes, como acontece em um acidente de trânsito, por exemplo.

 

Com o julgamento da 2ª Seção do STJ, criou-se precedente importante, estabelecendo-se o prazo de dez anos para discutir questões contratuais, contados do descumprimento.

 

Cabe registrar que, até então, parte dos juízes vinham aplicando o prazo prescricional de 3 (três) anos para se discutir questões contratuais no Judiciário.

 

A decisão possui importante reflexo na prática, dá aos contratantes maior segurança jurídica ao firmar contratos, o que antes era um risco, hoje se tornou algo estável.

 

Cumpre esclarecer que esse novo entendimento denota a importância de fazer um contrato bem feito, porque eventual pretensão decorrente de cláusulas contratuais que atualmente só prescreverá após uma década.

 

Sendo assim é imprescindível verificar atenciosamente as concessões e exigências para que a segurança jurídica da relação que será formalizada pelo contrato seja a maior possível. Somente assim é possível evitar litígios judiciais e extrajudiciais.

 

Acesse nosso Blog e encontre mais artigos como esse.

Nos encontre nas redes sociais: Facebook | Instagram | Likedin

Assine nossa Newsletter e receba as novidades por e-mail.

Leia também

  • 05-12-2018
RETROSPECTO TRIBUTÁRIO AY
  26/11/2018 a 30/11/2018   Receita Federal pretende fiscalizar operações com moedas virtuais A Receita Federal pretende criar, ainda este ano, um meio para fiscalizar as operações com criptomoedas. Após fazer diligências nas corretoras que a...
  • 29-11-2018
Como proceder em caso de insegurança jurídica como visto na Solução de Consulta Cosit Nº 13?
  Hoje vamos abordar no blog da AY um assunto que tem levantado muitas discussões no âmbito jurídico, empresarial e contábil. Em 23 de outubro de 2018, foi publicada a Solução de Consulta Cosit Nº 13, que visou esclarecer dúvidas geradas pel...
  • 29-11-2018
STF, exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS e da COFINS e a LINDB
  Recentemente, falamos no blog da AY sobre as polêmicas que envolvem a Solução de Consulta Interna Cosit Nº 13, que determinou que o ICMS a ser excluído da base de cálculo do PIS e COFINS é o efetivamente pago e não o destacado nas notas fi...
  • 28-11-2018
RETROSPECTO TRIBUTÁRIO
19/11/2018 a 23/11/2018   Receita Federal publica norma sobre compartilhamento de dados utilizando tecnologia Blockchain Foi publicada, no Diário Oficial da União dia 21/11/2018, a Portaria RFB nº 1.788, de 2018, que trata de disponibilização d...