SOLICITAÇÕES
| 41 3595-8300

Obrigações tributárias acessórias digitais: a nova era da Inteligência Fiscal

Por meio das Instruções Normativas RFB n.º 1.701/2017 e n.º 1.767/2017, foi instituída a obrigação acessória denominada "Escrituração Fiscal Digital de Retenções e Outras Informações Fiscais” (EFD-Reinf), cuja função principal, em síntese, é dinamizar e aprimorar a qualidade das informações previdenciárias e tributárias prestadas pelos contribuintes, por meio da substituição gradual para o meio digital do envio destas informações e de outras declarações.

 

A EFD-Reinf, como um complemento do eSocial (Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas) e módulo do SPED (Sistema Público de Escrituração Digital), marca a substituição de diversas obrigações acessórias não eletrônicas antes exigidas dos contribuintes e empregadores, tais como: DIRF, Bloco P (Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta), Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais (DCTF via postagem), GFIP, RAIS e CAGED. 

 

Na prática, após o preenchimento das informações na EFD-Reinf, estas são consolidadas automaticamente no sistema de modo a serem transmitidas para a DCTFWeb, para fins de apuração de tributos e pagamento. 

 

E mesmo que algumas obrigações acessórias, inicialmente, ainda se mantenham no ano de 2018 com a sistemática anterior e, por enquanto, as informações a serem preenchidas no eSocial sejam unicamente de natureza previdenciária, a tendência é que, no próximo ano, o Fisco Federal comece a regulamentar gradualmente a migração também de todas as informações de natureza tributária para a EFD-Reinf.

 

Fica evidente que a Receita Federal do Brasil busca de maneira constante otimizar o modus de realizar a coleta de informações e a verificação de regularidade das informações tributárias e previdenciárias prestadas pelo contribuinte como meio de dar maior eficiência às atividades fiscalizatórias, com foco cada vez mais no aperfeiçoamento da inteligência fiscal e redução da sonegação e outros ilícitos tributários. 

 

Assine nossa NewsLetter e fique por dentro das novidades!

Quer receber seu exemplar da revista Governança Jurídica? Clique aqui e peça a sua.

Nos acompanhe nas redes sociais: Facebook | Instagram | Likedin 

Já conhece o canal Direito da Inteligência de Negócios? Clique aqui e inscreva-se.

Leia também

  • 21-02-2019
LIMINAR GARANTE ISS MENOS ONEROSO A ADVOGADOS DE PONTA GROSSA (PR)
    A Justiça Federal do Paraná concedeu liminar para suspender lei municipal de Ponta Grossa que revogou a possibilidade de o contribuinte, incluindo advogados, recolher o imposto pelo valor fixo, conforme previsto no artigo 9º do Decreto-Le...
  • 20-02-2019
TRIBUNAL ESTENDE REINTEGRA ÀS VENDAS PARA ZONA FRANCA
  Em decisão apertada, a 1ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) estendeu os benefícios do Regime Especial de Reintegração de Valores Tributários para as Empresas Exportadoras (Reintegra) às vendas para a Zona Franca de Manaus. O en...
  • 19-02-2019
INSCRIÇÃO DE DÍVIDA FISCAL EM PROCESSO DE FALÊNCIA NÃO PRESCREVE, DECIDE STJ
    A dívida tributária inscrita em processo de falência não prescreve se o Fisco a tiver inscrito em certidão dentro do prazo de cinco anos desde a constituição do débito. A tese foi definida pela 4ª Turma do Superior Tribunal de Justiça...
  • 18-02-2019
JUSTIÇA RETIRA PIS E COFINS DO CÁLCULO DAS PRÓPRIAS CONTRIBUIÇÕES
    A Justiça Federal do Espírito Santo autorizou um grupo atacadista de peças, pneus e acessórios para bicicletas, triciclos e motocicletas a retirar o PIS e a Cofins da base de cálculo das próprias contribuições sociais. A sentença aind...