SOLICITAÇÕES
| 41 3595-8300

O que é e como funciona o Lucro Arbitrado?

Hoje falaremos aqui no blog da Amaral, Yazbek Advogados sobre o lucro arbitrado, um assunto bastante relevante no que tange a tributação de pessoas jurídicas e que muitas vezes é negligenciado por profissionais e empresários.

 

O termo arbitrado, por si só, é capaz de criar confusão, pois pode ser encarado por alguns como algo negativo e dar impressão de ser ordenado ou exigido pelo FISCO. Contudo, isso não é verdade, pois estamos falando de algo totalmente opcional em que há a possibilidade ou não de realizar a tributação do IRPJ e da CSLL pelo lucro arbitrado.

 

Tal ação está prevista no Art. 531 do Regulamento do Imposto de Renda. A partir de 01/01/1995, pode-se realizar o lucro arbitrado de pessoas jurídicas de duas formas: 1) pela autoridade fiscal, quando não há qualquer controle na empresa em relação às questões documentais; 2) pelo próprio contribuinte, desde que ele não esteja totalmente ciente da receita bruta.

 

Em quais situações é possível utilizar o lucro arbitrado?

 

O IRPJ e a CSLL, devidos trimestralmente no decorrer do ano-calendário, serão determinados com base nos critérios do lucro arbitrado, quando:

 

  • O contribuinte, obrigado à tributação com base no lucro real, não mantiver escrituração na forma das leis comerciais e fiscais, ou deixar de elaborar as demonstrações financeiras exigidas pela legislação fiscal;
  • A escrituração a que estiver obrigado o contribuinte revelar evidentes indícios de fraudes ou contiver vícios, erros ou deficiências que a tornem imprestável para identificar a efetiva movimentação financeira (inclusive bancária) ou determinar o lucro real;
  • O contribuinte deixar de apresentar à autoridade tributária os livros e documentos da escrituração comercial e fiscal, ou o Livro Caixa, nos quais deverá estar escriturada toda a movimentação financeira, inclusive bancária;
  • O contribuinte optar indevidamente pela tributação com base no lucro presumido;
  • O comissário ou representante da pessoa jurídica estrangeira deixar de escriturar e apurar o lucro da sua atividade separadamente do lucro do comitente residente ou domiciliado no exterior;
  • O contribuinte não mantiver, em boa ordem e segundo as normas contábeis recomendadas, Livro Razão ou fichas utilizadas para resumir e totalizar, por conta ou subconta os lançamentos efetuados no Livro Diário.

 A empresa poderá realizar o arbitramento de seu lucro desde que tenha receita bruta reconhecida e se enquadre nas irregularidades que listamos. E qual é a vantagem de realizar o lucro arbitrado? Primeiramente, há uma sanção para quem for realizá-lo: adição de 20% para cálculo de IR na alíquota utilizada na presunção. 

 Por exemplo, para a Indústria e Comércio a alíquota normal do lucro presumido é de 8%, porém com o lucro arbitrado é necessário pagar 9,6% para a presunção. Não há nenhum tipo de alteração quanto à questão de contribuição social e o cálculo realizado é idêntico ao feito para o lucro presumido.

 

Mais especificidades do lucro arbitrado

 

Existem empresas que são obrigadas a fazer o lucro real em qualquer uma das formas que temos em lei devido aos seus faturamentos. Por exemplo, hoje temos o limite de faturamento de R$ 78 milhões para que a empresa seja obrigada a fazer o lucro real. Devemos ressaltar que se ela fará o lucro real deverá pagar o IRPJ e a CSSL sobre a sua efetiva margem de lucro.

 A apuração do IRPJ e da CSLL com base no lucro arbitrado abrangerá todos os trimestres do ano-calendário. É assegurada a tributação com base no lucro real relativo aos trimestres em que a empresa dispuser de escrituração exigida pela legislação comercial e fiscal que demonstre o lucro real do período de apuração, não abrangido pelo arbitramento, ou pela tributação com base no lucro presumido. Lembramos que a empresa não pode estar obrigada à apuração do lucro real.

 Por exemplo, vamos voltar ao caso do segmento de Indústria e Comércio. Vamos supor que uma empresa é muito lucrativa e que a margem de lucro dela seja em torno de 15% antes dos impostos. Se ela optar pelo lucro real, ela vai pagar o valor efetivo da margem de lucro, porém se optar pelo arbitrado, pagará sobre 9,6% apenas, adquirindo então um relevante ganho tributário.

 

Temos também a questão do PIS e da COFINS. No lucro real, o PIS tem um percentual de 1,65% e a CONFINS de 7,6%, com permissão de crédito. Se a empresa se enquadrar no lucro arbitrado, ela irá pagar alíquotas menores, de 0,65% do PIS e 3% da COFINS. Por isso, se ela desejar pode optar tranquilamente pelo lucro arbitrado, pois trata-se de uma opção legal em que há considerável redução de carga tributária e economia em impostos, possibilitando o redirecionamento de recursos.

 

Para ficar por dentro de mais conteúdos relacionados ao mundo tributário e ao Direito da Inteligência de Negócios, não deixe de continuar a acessar o blog da Amaral, Yazbek Advogados e o canal Direito da Inteligência de Negócios no YouTube.

Leia também

  • 14-11-2018
Inclusão da noção de eficiência ao direito brasileiro com base na Lei 13.655
  Dando continuidade a abordagem que realizamos anteriormente sobre os desdobramentos da Lei 13.655, hoje iremos falar da noção de eficiência ao direito brasileiro. Contudo, antes de entrarmos no tema propriamente dito, vamos recapitular rapidame...
  • 14-11-2018
RETROSPECTO TRIBUTÁRIO
  05/11/2018 a 09/11/2018   Justiça exclui ICMS destacado em nota fiscal do cálculo do PIS/Cofins Uma empresa de engenharia, outra de vestuário e uma terceira de palmilhas conseguiram no Tribunal Regional Federal (TRF) da 4ª Região o aval para...
  • 08-11-2018
SERÁ QUE A PROPOSTA DE TAX COMPLIANCE VAI VINGAR?
  Nesta quarta-feira, 31/10, às 18h, vence o prazo para envio de propostas de alteração à Consulta Pública da Receita Federal n. 04/2018, que visa a criação do Programa Pró-Conformidade, por meio de Portaria que tem o cunho de estimular o ...
  • 07-11-2018
RETROSPECTO TRIBUTÁRIO - 29/10 a 01/11
  29/10/2018 a 01/11/2018   Orientação da Receita sobre ICMS do PIS/Cofins impacta compra de créditos A interpretação da Receita Federal sobre a exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS e da Cofins deve mexer com um mercado que estava supe...