SOLICITAÇÕES
| 41 3595-8300

ESPÍRITO SANTO PROMOVE AVANÇOS NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA LOCAL

 

Na última segunda-feira, 08/05/2017, foi publicada a Lei Estadual nº 10.674, que promove importantes alterações na legislação tributária do Estado do Espírito Santo, no que diz respeito às penalidades por infrações tributárias.

 

O projeto de lei, de autoria do Executivo, prevê redução de até 100% nas multas de ICMS, IPVA e ITCMD para contribuintes regulares, mas que cometem infrações por desconhecimento. A reivindicação vem do setor produtivo local, como as Federações do Comércio e da Indústria e auxiliará na recuperação do crédito tributário do Estado.

 

Serão três estágios com o objetivo de traçar os perfis dos contribuintes em suas relações com a Receita Estadual.

 

Primeiro serão listados e informados os contribuintes com indícios de divergências ou inconsistências na base de dados da Receita. Nesta fase, o contribuinte será comunicado previamente ao início da fiscalização que poderá manifestar o interesse em sanar as irregularidades dentro do prazo de 30 dias, hipótese esta em que o fisco poderá converter a multa de caráter punitivo, com a dispensa da sua cobrança (ou seja, com redução de 100%), mediante ajuste de conduta (o que ainda depende de regulamentação por decreto do Executivo). Somente após o fim do prazo de 30 dias sem manifestação do contribuinte é que se considerará automaticamente iniciado o procedimento de fiscalização.

 

No segundo estágio figuram os infratores primários, nesses casos será aplicada a regra denominada “reincidência reversa”. Nela, os contribuintes ficha-limpa, terão redução de até 75% da multa, em pagamentos à vista. O objetivo é dar um tratamento especial ao infrator primário, reduzindo a punição aos contribuintes em situação regular perante o Fisco.

 

Nos demais casos, será concedida uma redução de 50% no valor da multa para aqueles que regularizarem a situação dentro do prazo de impugnação, ou 25% nos casos em que haja recurso.

 

Foram mantidas as demais hipóteses de redução antes previstas no art. 77 da Lei 7.000/2001 para certos tipos de multas.

 

Cumpre esclarecer, no entanto, que débitos declarados e não recolhidos, considerados de natureza não contenciosa, terão sua cobrança simplificada e mais rápida.

 

Autor: Alexandre Buzato Fiorot

Advogado, Pós Graduado em Direito Tributário pelo IBET.

 

Leia também

  • 21-02-2019
LIMINAR GARANTE ISS MENOS ONEROSO A ADVOGADOS DE PONTA GROSSA (PR)
    A Justiça Federal do Paraná concedeu liminar para suspender lei municipal de Ponta Grossa que revogou a possibilidade de o contribuinte, incluindo advogados, recolher o imposto pelo valor fixo, conforme previsto no artigo 9º do Decreto-Le...
  • 20-02-2019
TRIBUNAL ESTENDE REINTEGRA ÀS VENDAS PARA ZONA FRANCA
  Em decisão apertada, a 1ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) estendeu os benefícios do Regime Especial de Reintegração de Valores Tributários para as Empresas Exportadoras (Reintegra) às vendas para a Zona Franca de Manaus. O en...
  • 19-02-2019
INSCRIÇÃO DE DÍVIDA FISCAL EM PROCESSO DE FALÊNCIA NÃO PRESCREVE, DECIDE STJ
    A dívida tributária inscrita em processo de falência não prescreve se o Fisco a tiver inscrito em certidão dentro do prazo de cinco anos desde a constituição do débito. A tese foi definida pela 4ª Turma do Superior Tribunal de Justiça...
  • 18-02-2019
JUSTIÇA RETIRA PIS E COFINS DO CÁLCULO DAS PRÓPRIAS CONTRIBUIÇÕES
    A Justiça Federal do Espírito Santo autorizou um grupo atacadista de peças, pneus e acessórios para bicicletas, triciclos e motocicletas a retirar o PIS e a Cofins da base de cálculo das próprias contribuições sociais. A sentença aind...