SOLICITAÇÕES
| 41 3595-8300

E se eu disser que não existe regime monofásico do PIS/COFINS?

Há tempos vem se discutindo nos tribunais a legitimidade da incidência das contribuições previdenciárias patronal, RAT/SAT e terceiros sobre determinadas verbas trabalhistas. E essa discussão acalorada ganha um novo capítulo a cada dia.

 

Com o julgamento pelo Supremo Tribunal Federal - STF do tema de repercussão geral nº 20 (Recurso Extraordinário nº 565160), em 29/03/2017 (com publicação do acórdão em 23/08/2017), momento em que se definiu a abrangência do vocábulo “folha de salários” inserto no texto constitucional (art. 195, inciso I, letra “a”, da CF/88), tenho notado uma movimentação da União no sentido de fazer aplicar referido entendimento às ações em curso.

 

Apesar do grande esforço, os Tribunais Federais e o Superior Tribunal de Justiça - STJ estavam caminhando no sentido de que a análise sobre a incidência ou não das contribuições depende de análise e interpretação da legislação infraconstitucional, razão pela qual seria inaplicável o entendimento assentado nos autos do RE nº 565160 (Tema nº 20), fazendo-se prevalecer o entendimento pacificado no âmbito do REsp nº 1.230.957/RS.

 

Com razão os Tribunais e STJ, pois o Tema 20 de repercussão geral julgado pelo STF definiu apenas o conceito de folhas de salários para fins de analisar se a RMIT inserta na legislação infraconstitucional é ou não constitucional. A interpretação infraconstitucional atribuída no REsp nº 1.230.957/RS não extrapola as possíveis materialidade constitucionais das contribuições e conclui pela constitucionalidade das contribuições previdenciárias.

 

No mesmo sentido, o STF vinha negando a existência de repercussão geral quando a análise passava a ser sobre a incidência ou não das contribuições sobre as verbas trabalhistas (Tema nº 908).

 

Entretanto, no dia 23/02/2018, durante o julgamento do Agravo em Recurso Extraordinário da União, nos autos do RE nº 1072485, o STF, para surpresa e insegurança geral, reconheceu a repercussão geral quanto à incidência ou não das contribuições sobre o terço constitucional de férias.

 

Muito embora existam contornos constitucionais que permeiam a matéria em voga, tenho comigo que, com o devido respeito, a decisão da Corte Suprema não foi a mais acertada.

 

A Constituição da República, como norma fundamental que é, não é o Diploma Normativo responsável pela criação de tributos. Ela, em verdade, cria a competência para a instituição e impõe limites ao legislador infraconstitucional quanto ao campo de incidência dos tributos. Ou seja, a CF/88 apenas é fundamento da validade para as normas hierarquicamente inferiores que criam os tributos.

 

Dito de outro modo, a Carta Magna apenas traz em seu bojo as possíveis materialidades dos tributos, ficando a cargo do Legislador Infraconstitucional competente a sua criação em plena observância aos limites impostos de forma a preservar valores constitucionalizados.

 

No caso das contribuições, ao analisarmos o §11 do artigo 201 da Constituição Federal – CF/88, que diz que “Os ganhos habituais do empregado, a qualquer título, serão incorporados ao salário para efeito de contribuição previdenciária e consequente repercussão em benefícios, nos casos e na forma da lei”, percebe-se claramente a intenção do legislador constituinte de atribuir à Lei e à União (caput, artigo 145 da CF/88) a competência para criar toda a materialidade e alcance das contribuições, sempre respeitando o conteúdo de significação mínimo atribuído pelo texto constitucional.

 

Nesse sentido, ao reconhecer a repercussão geral do terço constitucional de férias e adotar posicionamento diferente em relação às outras verbas, tem-se que o STF acabou se contradizendo e instaurando ambiente de total insegurança jurídica, pois não há na CF/88 qualquer exigência de modo a ser possível atribuir ao terço constitucional tratamento diferenciado em relação às outras verbas.

 

Toda a análise de incidência ou não das contribuições, independente da verba trabalhista, dependem obrigatoriamente da análise de legislação infraconstitucional, especialmente dos enunciados prescritivos da Lei nº 8.212/91.

 

Da análise de todo o exposto e do contexto envolvendo a discussão em voga, entendo que o reconhecimento da repercussão geral em questão, além de desacertada, carrega em seu bojo muito mais interesses políticos e econômicos do que jurídicos.

 

O que nos resta para o momento é acompanhar os desdobramentos de mais esse capítulo da novela “contribuições previdenciárias” que, considerando toda a resenha fática e jurídica que dão à contenda todo esse tom de suspense, tem tudo para ser emocionante, mas, espero, com final feliz.

 

Mayara Cristina de Mello Lobo -

Pós-graduanda em Direito Tributário pelo IBET – Instituto Brasileiro de Estudos Tributários de São Paulo; Bacharel em Direito pela Faculdade Arthur Thomas em Londrina/PR;
Representante do IBPT – Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação junto à Comissão Operacional do Observatório Social de São Paulo;Autora de artigos e estudos jurídicos;
Advogada no escritório Amaral, Yazbek Advogados.

Leia também

  • 13-12-2018
Você sabe o que é a Lei Geral de Proteção de Dados?
  Já falamos aqui no blog da Amaral Yazbek sobre como a utilização de dados são extremamente relevantes nas estratégias empresariais, como você pode lembrar aqui – quando abordamos o uso estratégico de novas tecnologias para o planejamento ...
  • 12-12-2018
RETROSPECTO TRIBUTÁRIO AY
  03/12/2018 a 07/12/2018   Receita exigirá comprovação de origem de recursos da repatriação Brasileiros que mantinham dinheiro não declarado no exterior e, há pouco mais de dois anos, aderiram ao Regime Especial de Regularização Cambial ...
  • 05-12-2018
RETROSPECTO TRIBUTÁRIO AY
  26/11/2018 a 30/11/2018   Receita Federal pretende fiscalizar operações com moedas virtuais A Receita Federal pretende criar, ainda este ano, um meio para fiscalizar as operações com criptomoedas. Após fazer diligências nas corretoras que a...
  • 29-11-2018
Como proceder em caso de insegurança jurídica como visto na Solução de Consulta Cosit Nº 13?
  Hoje vamos abordar no blog da AY um assunto que tem levantado muitas discussões no âmbito jurídico, empresarial e contábil. Em 23 de outubro de 2018, foi publicada a Solução de Consulta Cosit Nº 13, que visou esclarecer dúvidas geradas pel...