SOLICITAÇÕES
| 41 3595-8300

CANAL YOUTUBE - Qual a importância do Design Thinking para o Direito?

Você já ouviu falar em Design Thinking? Mais do que um método, o Design Thinking é uma atitude mental, um modo de se posicionar e pensar voltado para solução de problemas e inovação. Ele pode ser aplicado em vários ramos e atividades, como no desenvolvimento de produtos ou em novos modelos de negócios.

 

Os conceitos do Design Thinking são totalmente aplicáveis aos advogados, permitindo abordagens novas e mais efetivas com os clientes. Podemos dizer que o Design Thinking tem como objetivo entender o ecossistema dos negócios e assim compreender melhor todas as questões envolvidas.

 

Ao ter um panorama mais abrangente sobre os problemas do cliente, é possível entender os anseios das pessoas envolvidas e enxergar novos meios de solução, e, principalmente, inovação. Para tanto, é necessário seguir alguns passos. O primeiro deles é um paradigma por si só, pois os projetos de Design Thinking não buscam de imediato as soluções, porém os problemas.

 

O caminho contrário levará à melhor solução

 

Geralmente, temos a ideia de que soluções instantâneas são sinônimo de alta competência. Contudo, este raciocínio está equivocado, pois ao agir de tal modo é incorporado um pensamento linear ao projeto, baseado somente em experiências anteriores (quando o problema X ocorrer, deve-se resolver do modo Y).

 

Este modelo traz sérios problemas, pois assim vinculamos soluções do passado às questões atuais e que não são mais compatíveis com cenários anteriores. Como sabemos, hoje dispomos de um presente dinâmico, em que as relações de negócios são alteradas frequentemente, exigindo dinamismo e criatividade por parte de todos. 

 

O posicionamento restrito perante às novas possibilidades de solução também inibe as oportunidades de inovação, quando as respostas ideais não são identificadas. O que ocorre é que se antecipam soluções sem a correta definição dos problemas, sem entender efetivamente o cenário e as pessoas envolvidas.

 

Quando realizamos o caminho contrário e buscamos entender os problemas para depois buscar por soluções, verificamos o seguinte:

 

  1. Evitamos o desenvolvimento de soluções paliativas ou falsas;
  2. Afastamos o pensamento linear baseado em acontecimentos passados;
  3. Promovemos análises profundas do sistema ao redor das situações analisadas.

 

Como podemos encaixar o Design Thinking no ambiente jurídico?

 

Quando um advogado é consultado por um empreendedor, ele quer saber se pode seguir ou não por determinado caminho. A tendência é analisar jurisprudências anteriores para estabelecer um cenário de comparação, riscos e possibilidades. Apontar riscos é parte essencial da advocacia e o cliente deve se ater a eles, considerando que há questões que devem ser levadas ao poder judiciário.  

 

Utilizando-se do mindset do Design Thinking, é necessário entender as questões do cliente a fundo e conhecer as pessoas envolvidas no projeto nas mais variadas áreas. Agindo de tal modo, o advogado deixará de apenas apontar dificuldades e judicializar questões para se tornar um profissional que corre atrás de soluções efetivas, apontando riscos, sim, porém trazendo sugestões de como anulá-los ou minimizá-los. 

 

Deste modo, o Design Thinking pode transformar o advogado em um parceiro estratégico de inovação. Em conjunto, temos as noções de Direito de Inteligência de Negócios que estão diretamente atreladas à inovação, dinamismo e aos novos métodos de realizar negócios. Para acompanhar mais sobre este assunto, visite o blog da Amaral, Yazbek Advogados e o canal no YouTube Direito da Inteligência de Negócios.

Leia também

  • 14-11-2018
Inclusão da noção de eficiência ao direito brasileiro com base na Lei 13.655
  Dando continuidade a abordagem que realizamos anteriormente sobre os desdobramentos da Lei 13.655, hoje iremos falar da noção de eficiência ao direito brasileiro. Contudo, antes de entrarmos no tema propriamente dito, vamos recapitular rapidame...
  • 14-11-2018
RETROSPECTO TRIBUTÁRIO
  05/11/2018 a 09/11/2018   Justiça exclui ICMS destacado em nota fiscal do cálculo do PIS/Cofins Uma empresa de engenharia, outra de vestuário e uma terceira de palmilhas conseguiram no Tribunal Regional Federal (TRF) da 4ª Região o aval para...
  • 08-11-2018
SERÁ QUE A PROPOSTA DE TAX COMPLIANCE VAI VINGAR?
  Nesta quarta-feira, 31/10, às 18h, vence o prazo para envio de propostas de alteração à Consulta Pública da Receita Federal n. 04/2018, que visa a criação do Programa Pró-Conformidade, por meio de Portaria que tem o cunho de estimular o ...
  • 07-11-2018
RETROSPECTO TRIBUTÁRIO - 29/10 a 01/11
  29/10/2018 a 01/11/2018   Orientação da Receita sobre ICMS do PIS/Cofins impacta compra de créditos A interpretação da Receita Federal sobre a exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS e da Cofins deve mexer com um mercado que estava supe...